A ureia é uma substância que pode causar a intoxicação aguda em animais quando consumida de forma exagerada. Esse consumo inadequado pode acontecer a partir de situações como:

– Ingestão de grandes quantidades de alimento, resultando em doses excessivas de ureia;

– Erros de dosagem durante a mistura da substância nas rações;

– Deficiência de carboidratos digestíveis presentes na ração ou baixa qualidade da forragem consumida;

– Debilidade orgânica do animal, decorrente de fraqueza ou jejum.

O problema se caracteriza por deficiências motoras, tremores musculares e colapsos, sendo um problema grave que pode levar à morte do animal.

Os primeiros sintomas da intoxicação, normalmente, começam a aparecer após 20 minutos da ingestão da substância, deixando o animal apático e debilitado. Entre os sinais, evidenciam-se a salivação excessiva, respiração acelerada, mugidos altos e micção e defecção frequentes. Além disso, agravamentos como o enrijecimento dos membros anteriores, dor abdominal intensa e convulsões também são observadas, evoluindo rapidamente para quadros de asfixia e morte (ocasionada por parada respiratória).

Ao observar esses sintomas, é necessário recorrer ao tratamento urgente, por meio de medicamentos terapêuticos especializados, responsáveis por liberar as toxinas do organismo contaminado. O mais indicado seria o tratamento com anti-toxico Mercepton durante 3 dias seguidos na dosagem de um frasco por animal. Em conjunto com o  sulfato de Atropina que ajuda a liberar as toxinas pela urina, dosagem de 7 a 10 ml para animais adultos e 3 a 7 ml para animais jovens. Caso seja uma intoxicação aguda é necessário aplicar 25% da dose na veia do animal, sendo assim 2,5ml.

Outra solução é o uso de vinagre (ácido acético a 5%), administrando a dose de 3 a 6 litros que devem ser engolidos totalmente pelo animal, repetindo-se o processo sempre que reaparecerem os sintomas. O tratamento também pode ser feito a partir de medidas mais extremas, como a intervenção cirúrgica denominada rumenotomia, para o esvaziamento imediato do estômago dos ruminantes.