A febre aftosa é uma doença altamente contagiosa, uma das mais graves. Ela afeta os animais que têm os cascos divididos, incluindo bovinos, búfalos, ovelhas e porcos. É encontrada em muitas partes do mundo e relatada em países como África, Oriente Médio, Ásia e América do Sul. Pode causar graves perdas de produção. O impacto mais significativo ocorre por causa de seu efeito sobre o comércio de animais. Países sem a doença não compram ou restringem severamente as importações de países que têm casos relatados de febre aftosa.

Existem sete sorotipos do vírus: A, O, C, Asia1e SAT (Southern African Territories )1, 2 e 3. O tipo  A, O e C são os mais comuns na América do Sul. A proteção contra um sorotipo não protege contra a infecção por outro. Diferentes sorotipos dominam em diferentes partes do mundo.

Como a febre aftosa é transmitida

A febre aftosa é uma doença viral que se espalha rapidamente entre os animais. O vírus está presente na saliva, muco, leite, sêmen e fezes. Ele pode ser excretado até quatro dias antes dos sinais clínicos aparecerem. Os animais podem ser infectados por meio da inalação, ingestão e contato direto.

Os bovinos são muito suscetíveis e capazes de serem infectados por inalação de uma pequena quantidade de vírus. Em alguns animais (portadores) o vírus pode permanecer por longos períodos (meses ou anos) após a recuperação aparente.

Web

Sintomas da febre aftosa

A febre aftosa é caracterizada principalmente por:

  • Bolhas e erosões ao redor da boca e entre os cascos
  • Excesso de salivação e baba viscosa ou espumosa
  • Após a manifestação das feridas, o animal fica muito fraco e prostrado
  • Febre alta com duração de dois a três dias
  • Não se alimentam ou se alimentam pouco devido às lesões dolorosas na boca
  • Perda de peso
  • Baixas taxas de concepção
  • Abortos
  • Aumento da taxa de mortalidade, especialmente em animais recém-nascidos

O tempo médio entre a infecção inicial e o aparecimento dos sintomas é de três a oito dias, mas pode demorar até duas semanas. É importante comunicar imediatamente qualquer destes sintomas ao seu veterinário e aos órgãos de controle de doenças animais.

causas febre aftosa

Recuperação da febre aftosa

Os animais começam a se recuperar entre 8 a 15 dias após manifestação dos sintomas, mas em casos graves pode haver deformação de cascos, perca permanente de produção de leite, mastites, aborto, morte em animais jovens, entre outros.  No entanto, devido à perda de produção e o estado infeccioso da doença, os animais infectados são geralmente abatidos.

Prevenção contra a febre aftosa

Quem coordena o combate à febre aftosa no Brasil é o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA). As responsabilidades são compartilhadas entre governo federal, serviços veterinários estaduais e o setor privado, sendo que a execução do programa está a cargo das secretarias estaduais de agricultura e instituições vinculadas.

A febre aftosa é uma das doenças mais difíceis de conter. Focos são geralmente controlados por quarentenas e restrições de circulação, abate dos animais infectados, limpeza e desinfecção das instalações, equipamentos e veículos afetados.

As carcaças infectadas devem ser eliminadas de forma segura por incineração, enterramento e outras técnicas.

Web

A vacinação pode ser usada para reduzir a propagação da febre aftosa ou para proteger os animais.  É usada em muitos países para controle da doença em situações endêmicas.

Para que um país possa recuperar o status de livre de febre aftosa é importante erradicar o vírus o mais rápido possível com controle de movimentos e remoção de animais infectados (juntamente com outras medidas de controle complementares como limpeza e desinfecção). A vacina é uma ferramenta importante para auxiliar na contenção e erradicação da febre aftosa.

Riscos para os humanos

Infecções em humanos foram relatadas, mas são muito raras e não resultam em doença grave. Os seres humanos podem transportar o vírus no nariz por até 24 horas e podem ser uma fonte de infecção para os animais.

febre aftosa
Foto: Iagro

Cuidados na vacinação contra febre aftosa

A vacinação contra febre aftosa é obrigatória em todos os Estados, exceto Santa Catarina, reconhecido pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) como livre de febre aftosa sem vacinação desde 2007.  O calendário é determinado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

No período da vacinação, certifique-se de adquirir produtos confiáveis, de fabricantes idôneos. Não é recomendado vacinar animais doentes ou estressados por transporte, desmame ou outro motivo. Seguem algumas dicas de cuidados na hora da vacinação de seu rebanho:

  • Compre as vacinas somente em lojas registradas
  • Verifique se as vacinas estão na temperatura correta: entre 2° C e 8° C
  • Para transportá-las, use uma caixa térmica, coloque três partes de gelo para uma de vacina e lacre
  • Mantenha a vacina no gelo até o momento da aplicação
  • Escolha a hora mais fresca do dia e reúna o gado
  • Durante a vacinação, mantenha a seringa e as vacinas em caixas refrigeradas (isopor com gelo, por exemplo) e use agulhas novas, adequadas e limpas
  • A higiene e a limpeza são fundamentais para uma boa vacinação
  • Agite o frasco antes de usar e aplique a dosagem certa em todos os animais: 5 ml
  • Importante tirar as bolhas da seringa antes de aplicar no animal para evitar que a dose aplicada seja menor do que a indicada, que é de 5 ml.
  • As agulhas de aplicação da vacina no animal não podem ser muito finas nem muito grossas, entre 15 x 18 ou 15 x 20. As agulhas muito grossas podem causar refluxo do líquido e as muito finas podem entupir
  • O lugar correto de aplicação é a tábua do pescoço, podendo ser no músculo ou embaixo da pele
  • Aplique com calma
  • Agulhas com ponta romba, sujidades ou que tenham caído no chão devem ser substituídas
  • Em animais primovacinados (vacinados pela primeira vez) a dose reforço é muito importante para a obtenção de níveis ótimos de proteção
  • Sobras de vacinas devem ser destruídas
  • Não se esqueça de preencher a declaração de vacinação e entregá-la no serviço veterinário oficial do seu estado junto com a nota fiscal de compra das vacinas

Os clientes da Agroline podem enviar um e-mail para pedidos@agroline.com.br para fazer um orçamento completo para a vacinação do rebanho contra aftosa e outras doenças. Se preferir, pode ligar para (67) 3321.6800.

Veja também: Agroline inicia venda de vacina Aftosa para todo Brasil através do e-Commerce 

vacina contra febre aftosa
Foto: Iagro

Como evitar formação de caroços na aplicação da vacina

A formação de caroços no local da aplicação pode ser uma reação da vacina. É comum, mas pode complicar se houver algum tipo de infecção. Para evitar que isso aconteça, siga as recomendações de limpeza, utilize a agulha certa, desinfetada e trocada com frequência.

A febre aftosa no Brasil

O primeiro registro da doença no Brasil é de 1895, no Triângulo Mineiro, mas apenas na década de 30 o Ministério da Agricultura começou a investir em prevenção. As campanhas organizadas para vacinação só foram organizadas na década de 60.

Desde abril de 2006 não são registrados novos focos da febre aftosa no Brasil. Os últimos focos ocorrerem em 2005 no Paraná e em Mato Grosso do Sul. Por este motivo, estes Estados e outros dez foram suspensos da condição de zona livre.

Os Estados do Amazonas, Roraima e Amapá ainda não conquistaram a classificação de livre com vacinação pela Organização Mundial da Saúde Animal, responsável por melhorar a saúde animal em todo o mundo.

O MAPA tinha como meta erradicar a febre aftosa do Brasil até o fim de 2015, o que não aconteceu. Em 2016, o Ministério destinou R$ 24 milhões para a defesa agropecuária e eliminação da febre aftosa. Os recursos fortalecerão 15 agências estaduais de defesa agropecuária, por meio de convênios estabelecidos via Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa).

Os estados que receberão os recursos são: Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Paraíba, Mato Grosso, São Paulo, Pernambuco, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Piauí, Roraima, Rio Grande do Sul e Tocantins.

Veja também: Medidas de segurança contra a febre aftosa

Foto de destaque: Iagro